sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

a Carona



Uma vida no banco de trás e as delas, uma ao lado da outra. Foram tantos os anos assim, mesmo à distância...

Vontade de chorar de repente ao ver a amiga dirigindo o carro, se oferecendo a ir pegá-la no trabalho. E ela só consegue pensar se o pranto é em razão de a maturidade ter a deixado pateta?

- É apenas um querer de retornar preso na boca, que as moças engolem.

- É, porque o tempo jaz. Ele não volta...

Apenas o lar é aquele que espera. Nada mais espera.

A resenha da vida em 20 minutos.

Momentos suficientes para saber que foram obrigadas ao costume da solidão. No casulo de seus corações. Nas mentes inquietas – herança dos 17 anos. Poucas palavras para explicar.

Uma vida ao lado da outra, na estrada e suas curvas.


E o piloto automático.

Um aperto que massacra aos pouquinhos. É a saudade, o que elas aprenderam, na verdade. Não é patetice. Elas sabem que a única convivência possível é uma prosa em troca de caracteres virtuais... E uma carona, de vez em nunca.

Tempos difíceis.


Da série: 50 microcontos [com 50 letras] - menos título e pontuação - 42

42*. Garotas
- Ganhar na mega é mais fácil do que escolher biquini.
- É, cruel...