segunda-feira, 10 de agosto de 2009

mulherzinha de all star




Pequena mulherzinha de tênis all star. Já concluiu o mestrado, mas é tão pequena. Como uma colegial, daquelas tímidas que sentam na última carteira da sala de aula por teimosia. Talvez por um impulso em ser “cool” um tanto quanto [e muito] reprimido. Ela sabe que é tímida e pequena e até mesmo um pouco sem jeito. Ela tem olheiras fundas, usa all star e bolsa jeans desgastada com muitos livros bacanas para a leitura no intervalo das aulinhas chatas.

Ai. Mas ela já é mestre.

E escreve desenfreadamente em um caderno de 200 folhas. Linha por linha, em uma velocidade frenética que nem se sabe como os dedos conseguem acompanhar o turbilhão de pensamentos. Ela consegue escrever com o ônibus em movimento e seus dedos continuam firmes, as letras bem fortes nas linhas da página do caderno.

Eu estava ao lado dela. E percebi. E não resisti. Fiquei tão curiosa e, de rabo de olho, consegui ler algumas letras, palavras e frases completas! Ela sofre por uma separação. E fiquei tão comovida.

A separação é um bicho que te come viva.

[E você só pensa em porque o dia insiste em nascer...]

***

Ela sofre e, de certa forma, eu sofro por ela. Mas passa. “Tudo passa, o que não passa se perde na fumaça”. Achava essa frase tão idiota. Mas sei que ela faz um puta de um sentido. E quando tudo passa e se perde para nunca mais:

- a gente brinda! MAS SÓ SE FOR AOS PULOS!

...


2 comentários:

Gabriela Angeli disse...

Agora é torcer para que ela fique bem...

Gostei daqui... beijos!

Kaos Z disse...

demais!!!