quinta-feira, 30 de julho de 2009

tape de Herança




Eu tenho fitas e fitas e fitas cassetes. Comecei a gravar as fitas na adolescência e as guardo até hoje. As fitas, para mim, são como os vinis para tantas outras pessoas. Claro que elas não têm qualidade sonora. [na época, as gravações eram feitas do vinil e, em muitas fitas, eu consigo escutar a agulha, a mudança de faixa do vinil na gravação. Uma beleza...]. Claro também que elas não tem o mesmo glamour que os vinis. Mas para mim, as fitas representam uma fase muito boa da vida. É um símbolo. A fase em que eu passava semanas selecionando músicas para gravar nas fitas para mim ou para presentear alguém muito especial. E esta pessoa tinha que ser especial para caralho, aliás. E, claro, ganhar uma fita também era muito bacana. Ver as letras da pessoa na capinha, o máximo! Ah, e por falar em capinha, o lance era fazer uma puta capa “arte”. Lembranças boas... Tinha também aquelas gravações para simplesmente impressionar alguém com o meu “bom gosto musical”. (rá). E não é que lendo a TPM desse mês, na seção Badulaque, da Nina Lemos, as suas colaboradoras “motherns” tocam no assunto. Elas fizeram uma enquete entre as amigas que já são mães: se a única herança que você pudesse deixar para seu filho fosse uma fita dessas, que música não poderia faltar e por quê?

Resolvi perguntar para as minhas amigas que já são mães e as que querem ser. Algumas responderam. Olha que legal:


Geísa, cantora e mãe do Francisco: “Mal de Mil”, do Djavan. “Essa canção não tem nenhuma história ou relação com determinada pessoa, ou lugar, ou situação, enfim... É apenas uma canção que me faz sentir tamanho bem-estar, que me faz viajar... e eu adoraria que meu filho, além de ouvi-la, pudesse também tocá-la e até mesmo cantá-la maravilhosamente bem”.

** A Geísa confessou que não curtia muito tape não, porque conseguia ficar absolutamente atrapalhada para achar as faixas... (rs).


Aline, publicitária e mãe do Enzo: “You are my sunshine”, do Bob Marley. “Amor de mãe é simples, infantil, não é romântico... Diz a lenda que ele escreveu para o filho dele e, depois que se tem o filho, a gente fica sem o sol, mas não sem o filho”.

** Lindo isso, né? É resposta de gente sensível como a Aline...


Michele, jornalista e mãe da Letícia e do Augusto: “Boys don’t cry”, do The Cure. “Sem dúvida”.

** A Mi é prevenida. Fez questão de escrever que deixaria um Cd, porque eles não teriam aparelho para escutar a fita... (rs).


Flávia, auxiliar administrativo e mãe do Rê (o Renato): “Meu amigo Pedro”, do Raul Seixas.

**A Flá não justificou... Mas falou que ficou super em dúvida, deixaria também alguma do Engenheiros do Havaí, ou do Bob Dylan, ou do The Doors...


Rosana, publicitária e mãe do Diego: “Oração ao tempo”, do Caetano Veloso. “Acho que a poesia dessa música define um pouco o significado de nossa passagem pela terra, quero que meu filho lembre sempre que, ao final, para o bem ou para o mal, o tempo é o senhor de nossas vidas, só ele é capaz de nos dar inúmeras chances para recomeçarmos, somente ele nos faz aprender, reconhecer, e jamais desistir de absolutamente nada, nem de nossos sonhos mais loucos, porque, quem sabe? Só o tempo vai nos dizer. E em segredo...”

** A Ro tem uma história muito legal. Quando o Diego fez 18 anos, ela o presenteou com diários, escrito por ela, sobre a vida dele, desde os seus primeiros dias de vida. Ele não sabia que ela fazia isso e ficou super ultra mega emocionado quando foi presenteado. Do caralho, né?


Dani, farmacêutica, mãe da Giulia: “Vapour Trail”, do Ride e “Será”, da Legião Urbana. “Vapour Trail por ter marcado uma época boa, de mudanças e, pensando na letra... todo meu tempo é muito mais dela do que meu... “Será”, nem precisa de muita explicação”.

** Para a Dani, falei que podia escolher duas músicas... (rs)


Márcia, jornalista, mãe da Amandinha (a Amanda): “Deixaria a gravação dela cantando o hino do São Paulo. É um momento importante, reflete uma tradição familiar...”

** A Marcinha que não tinha recebido o meu e-mail e, no fim, deu uma resposta rápida depois da minha “pressão”... Mas fiquei curiosa em escutar a Amandinha cantando.


E,
Eu também pensei na pergunta. E, um dia, se eu for mãe, acho que deixaria gravada na fita a música “La La Love You”, do Pixies. Gravaria essa canção por causa da banda. Pixies é uma banda que eu acho feliz, “up”, com uma sonoridade única e letras malucas. A minha filha ou meu filho vai PRECISAR conhecer. Afinal, como dizem, a vida, às vezes, pode estar uma lama, mas a trilha sonora tem que ser boa (sempre)! Acho que só Pixies pode fazer com que ela ou ele entenda o significado dessa mensagem e consiga seguir em frente...



5 comentários:

Michele disse...

Adorei, Glau! Parabéns pela iniciativa e edição dos depoimentos! Ficou bacana, agradável de ler. Um grande e demorado abraço!

Mi

Done Zine disse...

Amei!!!! :)))

Daniela disse...

Você devia fazer mais dessas enquetes ... muito legal !!
Beijos e saudades sempre !!

Flávia disse...

Bacana hein Glau!!! Galera na minha opinião de muito bom gosto. Não tive tempo de justificar minha resposta, mais justifico agora que tenho mais tempo. "Meu amigo Pedro" é uma música que fala de amigos diferentes, mesmo sendo diferentes são livres. A mensagem se traduz em uma frase da própria música, "cada um de nós é um universo..." profundooooo... rsrs. Achei muito legal esse seu espaço, vou explorar mais. Espero que você faça outras enquetes. Beijokas

Gláucia Santinello disse...

Meninas,

Eu também adorei a enquete. Obrigada por terem participado!! Vocês são ótimas!

Já estou pensando em outra... rs rs rs

Beijão e valeu!